segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Análise do comercial da Vivo

Em nossas análises de comerciais feitas aqui no Entreclics, já identificamos que  algumas mensagens podem dar  margem à dupla interpretação
Muitas vezes esta dupla interpretação não é intencional mas algumas campanhas fazem uso de mensagens subjetivas de forma proposital para alcançar maior proximidade com o espectador sem que ele perceba. (Para entender melhor o que que são mensagens subjetivas leia o post já publicado aqui.)
Estas mensagens nem sempre aparecem sob a forma verbal ou de texto. Um exemplo recente deste artifício pode ser verificado no comercial da Vivo sobre a promoção "Vivo Sempre", onde o avô fala ao celular com seus netos.
Assista ao comercial e tente descobrir onde está a mensagem subjetiva.





Nem todas as pessoas percebem que nas duas primeiras cenas há sempre um elemento que liga o avô ao neto  com o qual ele está conversando: O avião de brinquedo e o sorvete. Porém, quando ele está falando com a neta, o cenário todo é muito parecido dando a impressão de que ele e a neta estão no mesmo ambiente. Isso aumenta o poder de persuasão do comercial que procura passar a ideia de que com a promoção "Sempre Vivo" a ligação é tão barata que se pode até ficar falando a toa, pois se ambos estão no mesmo ambiente, não há a necessidade de usar o celular.  Este recurso serve de reforço para o diálogo sem compromisso desenvolvido entre os dois.
E você consegue perceber algum outro elemento subjetivo? Comente


sábado, 18 de fevereiro de 2012

Ação de MKT do governo do ESP p/ o carnaval

A campamha publicitária de prevenção de acidentes nas estradas realizada pelo governo do Estado de São Paulo para o carnaval teve como tema o "Zé Trombada", personagem que representa o indivíduo negligente que faz imprudências no trânsito.
Para reforçar a campanha, foi realizada uma ação de marketing nos pedágios das estradas do estado com a distribuição de máscaras de carnaval com o rosto do "Zé Trombada".
No verso da máscara foi impresso o conteúdo da campanha através do seguinte texto:

 Esse aí é o Zé Trombada, um cara que vive dando mancada.
Enche a cara com a rapaziada e, depois de tomar todas, ele pega a estrada.
Esse Zé Trombada não vale nada.

 Das 20 melhores estradas do Brasil, 19 ficam em São Paulo. O Governo do Estado de São Paulo faz a parte dele, mas ainda tem muita gente sem noção que não colabora. É de matar. Você, que é gente boa, já sabe: se beber, não dirija e respeite os limites de velocidade.

 Neste carnaval, não banque o Zé Trombada. Na estrada, nada de mancada.

 Se analisarmos a ação de marketing em relação ao conteúdo, verificamos uma contradição. Ao distribuir máscaras com o rosto do Zé Trombada na verdade o incentivo é o inverso do que se espera. Uma máscara pode ser interpretada como um instrumento para esconder uma verdadeira realidade. Quem usa uma máscara, pode inconscientemente estar camuflando um comportamento.
 Assim, o que podemos interpretar com esta ação?
Ao distribuir a máscara do Zé Trombada não estaremos incentivando as pessoas a assumirem
o seu comportamento imprudente e negligente no trânsito?
Qual sua opinião a respeito? Comente

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Analise de comerciais - Wizard 2012

Temos que reconhecer que agora a Wizard acertou no comercial. 
Já analisamos aqui comerciais da Wizard que davam dupla interpretação em sua mensagem, mas esta nova campanha (2012) conseguiu apresentar adequadamente a mensagem proposta. A caneta wizpen serviu de coadjuvante no enredo e não protagonista como acontecia na campanha anterior. Neste caso, o que se vende é o serviço prestado e não a caneta, exclusivamente.
Qual sua opinião a respeito? Comente