sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Cartões Corporativos - Natal 2011

Aí vão duas opções de cartões de Boas Festas. Aproveitem. 
Vejam também outros exemplos de Natal e Ano Novo 



quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Cartões Corporativos - Ano Novo

Mais um fim de ano se aproxima.
Aproveite que ainda dá tempo de enviar um cartão para pessoas queridas.


O poder das redes sociais

Sorria, você está sendo filmado!

É a cada dia mais comum nos depararmos com esta mensagem.
O avanço tecnológico traz em sua bagagem a facilidade de registro e monitoramento através de fotos e filmes, e muitas vezes em tempo real.
Basta colocar os pés para fora da porta para estar participando de um  BBB da vida real.
A começar pelos celulares onde as câmeras tornaram-se um acessório indispensável, estamos a todo momento expostos a um universo de paparazzi a nos seguir.
Para a grande maioria das pessoas este monitoramento indiscriminado é considerado uma invasão de privacidade. Muitos estão engajados na luta pelo direito de manter-se no anonimato. Porém, quando transportamos esta situação para o ambiente virtual, o que se vê é justamente o oposto.
As redes sociais são uma porta aberta para a exposição, mas isso pouco importa para os milhões de usuários que criam seus perfis em várias delas, mesmo sabendo que estão publicando suas informações para quem quiser ver. Engana-se quem acha que consegue manter seus dados visíveis apenas para um público restrito. Depois de publicadas na rede é muito difícil manter controle sobre suas informações.
Com a integração existente entre as várias plataformas é muito simples saber o que uma pessoa está postando, curtindo, seguindo ou comentando. Não é preciso ser nenhum detetive para saber por onde ela anda navega e traçar-lhe um perfil . Afinal, este é o propósito destas plataformas: criar uma única rede.
Isso é ótimo e desejável no âmbito corporativo, onde vale toda forma de exposição para vencer a concorrência. As empresas podem e devem aproveitar o potencial de divulgação destas redes para se aproximarem de seus clientes.
Mas e quanto aos indivíduos, será saudável esta exposição? Pergunto não só em termos pessoais, como também profissionais. Atualmente os processos de seleção têm incluído em suas etapas a verificação da vida virtual dos candidatos antes da contratação. Portanto não adianta comportar-se "profissionalmente" no Linkedin e sair causando no Twitter por exemplo.
Tenho certeza de que este é um processo sem volta, mesmo porque, não dá para sair descurtindo, ou despublicando tudo o que há na rede. O que precisamos é ter um comportamento na internet, semelhante ao que temos quando lemos a frase: Sorria, você está sendo filmado, saber que do outro lado do monitor tem sempre alguém nos observando...

E você o que acha a respeito? Como se comporta na rede? Deixe seu comentário.

terça-feira, 19 de julho de 2011

O marketing B2B é menos criativo?

Criar para a publicidade B2B (Business to Business) é mais difícil, não porque a criatividade seja menor, mas porque o espaço criativo é mais delimitado.
Primeiro, vamos entender o que move a publicidade B2C (Business to Consomer) para bens de consumo:
Para vender um produto, a publicidade deve despertar no consumidor uma necessidade, fazendo com que para ele, o produto represente algo extremamente necessário. Assim, a publicidade valoriza os benefícios dos produtos explorando sensações e emoções através de aspectos como prestígio, status, bem estar, etc. O conteúdo deste tipo de publicidade é voltado para o indivíduo, ainda que “este” seja muitos milhões de consumidores. Eles recebem “individualmente” as informações difundidas pela campanha publicitária.
Ao contrário, na publicidade B2B as emoções individuais são deixadas de lado, pois o "consumidor" é um comprador e procura cumprir com responsabilidades e atender a objetivos de produtividade, de segurança e também financeiros. Assim, não adianta apelar para o seu lado emocional da mesma forma que no B2C.
Uma pesquisa realizada pela Universidade de Northwestern e pela Escola de Dartmouth mostra que quando os usuários procuram atender seus desejos ou seus objetivos de realização pessoal, eles se interessam por mensagens abstratas que apelam para o emocional. Por outro lado, quando eles procuram cumprir suas responsabilidades dentro do ambiente corporativo, eles se atraem por mensagens concretas na hora de escolher um produto.
Por isso, é fácil perceber uma grande diferença entre os materiais publicitários destinados a cada segmento.
A publicidade B2B é menos emocionante, mas nem por isso menos criativa. Ao contrário, tende a ser até mais criativa visto as limitações que seu público lhe impõe.

E você, acha que a publicidade destinada ao segmento B2B poderia ser mais criativa? De que forma? Em quais aspectos? Deixe sua opinião.

Análise de Comerciais- Caneta que fala - Wizard 2

Começou a ser veiculado na TV um novo comercial da Wizard.
Seguindo a mesma linha do anterior (veja análise aqui), o comercial mostra um garoto lendo um livro em inglês, quando a mãe lhe pergunta se ele está falando sozinho.
Ele responde que não é ele mas a caneta da Wizard quem está falando.

A mãe indignada pergunta se por acaso caneta fala.
A cena seguinte mostra que ao passar a caneta pelo texto ela faz a leitura em inglês do que está escrito.



Em termos tecnológicos, é realmente uma inovação o recurso utilizado pela Wizard para ajudar no aprendizado, porém em relação à comunicação fica novamente a dúvida: dentro do contexto do comercial, qual é o papel da escola no aprendizado do idioma? Afinal, mais uma vez o garoto parece autodidata no aprendizado do inglês.
O que você acha? Comente.
Gostou desta análise? Não deixe de ver a de outros comerciais.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Logotipos Circulares - participação do internauta

Olá, pessoal,
Este é mais um logotipo desenvolvido dentro de nossa proposta de formas circulares.
Ele foi enviado pelo VitorNavarreti.
Com isso percebemos que as possibilidades são infinitas.
Por isso convido a todos a fazer como o Vitor e continuar participando, colocando as idéias para funcionar na criação de novas opções.
Valeu, Vitor.

sábado, 30 de abril de 2011

Estratégia da Bombril para divulgação via web

A Bombril lançou uma campanha institucional intitulada "mulheres evoluídas" visando atingir o público feminino, que apresenta um novo perfil no mercado: mulheres modernas que atingiram um nível de independência em relação aos homens.
A campanha conta com 6 comerciais para TV utilizando a linha humorística para passar a mensagem de que os produtos Bombril evoluíram junto com as mulheres.


Nosso objetivo não é analisar os comerciais, mas avaliar como é possível utilizar mídias sociais e suas ferramentas para dar suporte às mídias de comunicação de massa.
A Bombril utilizou a idéia desta campanha como enredo para criar a base de um videomix da Pinpix.

Para quem não conhece o Pinpix é um site que permite criar animações com montagem de fotos sobre a base de um vídeo para publicação em redes sociais e ou envio por e-mail. Como os vídeos são bem humorados e podem ser personalizados com fotos de conhecidos, eles rapidamente se espalham sem muito esforço.
Além de dar apoio à campanha nas mídias convencionais, o videimix da Bombril mostra vários de seus  produtos sob forma de mershandising, o que não é nada mal para uma ferramenta de comunicação em massa. Este é um bom exemplo de campanha viral com ar de inocente, mas que com certeza teve muito neurônio queimado em seu planejamento.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Análise de comerciais - Wizard 1

Quando desenvolvemos uma campanha publicitária uma coisa precisa ficar bem definida para que possamos contabilizar o retorno do investimento: o público alvo.
Todo o esforço, linguagem e forma de abordagem podem ser totalmente diferentes dependendo do público que se pretende atingir.
A campanha da Wizard não deixa muito claro este aspecto.

Primeiramente vamos analisar seu out door:
A Wizard desenvolveu uma campanha sob o slogan: " Quando você vê já  está falando inglês. "
Em seu out door explora a imagem de um pai sentado à beira da cama do filho, lendo para ele um livro de histórias infantis em inglês.
Analisando-se a imagem juntamente com a chamada " Quando você vê já está falando inglês. ", eu pergunto qual é o publico alvo almejado por esta peça?

Os adultos? Neste caso o conteúdo estaria infantilizando a capacidade educacional da escola: conseguir ensinar um adulto a falar inglês através da leitura de livros infantis...

As crianças? Se for este o caso, onde entra o papel da escola no contexto, já que subentende-se que o filho vai sair falando inglês de tanto ouvir as historinhas contadas pelo pai...

Este mesma campanha foi veiculada na TV e o comercial também deixa dúvidas, pois o garoto recorre ao material didático da Wizard para continuar, em inglês, a leitura de seu livro de histórias, iniciada pelo pai na noite anterior. Este fato surpreende aos pais que não esperavam por esta atitude do filho.



Neste caso não temos dúvida sobre o público alvo, mas quanto ao produto divulgado:

É a escola de idiomas, ou o material didático?
Já que o garoto estuda e aprende sozinho, não entendemos muito bem onde entra o papel da escola...

Qual é sua opinião a respeito? Deixe seu comentário
Leia também a análise de outros comerciais

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Análise de comerciais parte 5 - Café Pilão

Já falamos aqui no Entreclics sobre o cuidado que se deve ter no desenvolvimento de comerciais que utilizam crianças no elenco, para se evitar interpretações equivocadas, provocadas muitas vezes, por mensagens subjetivas que não são percebidas na elaboração do comercial.

Vamos analisar o comercial "Bobinha" do Café Pilão  sob este aspecto:

Sinopse: Uma criança acorda durante a noite e procura a mãe que está na cozinha, dizendo que não consegue dormir porque tem monstros debaixo de sua cama.
A mãe Pergunta: Você ainda acredita nisso bobinha? E diz que a menina já está crescida para acreditar nestas coisa e que vai até colocar um pouco de café no leite da menina.
A filha pergunta porque a mãe também está acordada, e esta responde que está esperando o irmão da menina chegar da festa, pois ele prometeu que não ia chegar muito tarde.
A filha pergunta:  E você ainda acredita nisso bobinha?
Um locutor em off assina o comercial com o slogan: Pilão o café forte do Brasil.



Mensagens que o comercial passa:
De uma mãe carinhosa que não mede esforços para o bem estar da filha e por isso lhe dá café como se fosse um remédio capaz de resolver o problema de insônia da menina.

Mensagens subjetivas que o comercial passa:
- Apesar se ser muito bem produzido e explorar muito bem a capacidade artística da garotinha, o comercial passa uma contradição muito grande ao oferecer para uma criança que não consegue dormir, o café, uma bebida estimulante ( vide definição):

O que são estimulantes?
Como sugere o termo, são substâncias que aceleram (estimulam) a atividade do Sistema Nervoso Central (cérebro), que passa então a funcionar mais rapidamente. A pessoa então anda mais, corre mais, dorme menos, fala mais, come menos, etc.
Alguns estimulantes são de origem vegetal: por exemplo, a cafeína do café ou chá. Todos sabem que o café tira o sono, deixa a pessoa mais ativa, mais acordada. A cafeína é um estimulante suave do cérebro.  - Fonte: UNIFESP "

Assim, a mensagem que fica é a de que esta mãe é, de certa forma, irresponsável (ou até mesmo maquiavélica) por oferecer à filha com insônia uma bebida estimulante. Este fator é reforçado ainda mais pelo slogan "Pilão, o café forte do Brasil" que indica que este café é forte, e portanto suas propriedades estimulantes também...

E para você, que mensagem que fica? Compartilhe conosco sua opinião.